Ouro fecha em alta com desvalorização do dólar


O contrato do ouro para fevereiro fechou em alta de 0,56%, a US$ 1.840,20 por onça-troy na Bolsa de Mercadorias de Nova York Os contratos futuros do ouro fecharam em alta nesta terça-feira (19), impulsionados pela desvalorização do dólar, conforme os investidores avaliam os comentários de Janet Yellen, que foi indicada pelo presidente eleito Joe Biden para assumir o cargo de secretária do Tesouro dos Estados Unidos.

O contrato do ouro para fevereiro fechou em alta de 0,56%, a US$ 1.840,20 por onça-troy na Bolsa de Mercadorias de Nova York.

Falando em sabatina ao Senado dos EUA, Yellen disse que um segundo pacote de estímulos será necessário e defendeu uma reforma tributária, ampliando os impostos sobre as empresas e os indivíduos americanos mais ricos.

A ex-presidente reconheceu que uma pessoa no cargo a que foi indicada deve zelar pela sanidade fiscal, mas disse que este não é o momento para se preocupar com o déficit fiscal americano e que, devido à baixa taxa de juros, uma ampliação da dívida não seria um problema no curto prazo.

O dólar oscilou no começo da sabatina de Yellen, mas voltou aos níveis em que operava anteriormente. O índice dólar DXY, que geralmente tem correlação negativa com o metal precioso, opera em queda de 0,27%, a 90,516 pontos.

Sem orçamento, crise se agrava nas universidades federais em janeiro


As instituições de ensino superior e técnico estão recebendo em janeiro apenas 2,22% dos recursos anuais a que têm direito A crise financeira das universidades e dos institutos federais se agravou na virada do ano. Diante do atraso na análise da proposta de lei orçamentária (PLOA) de 2021, que não tem sequer comissão mista instalada no Congresso Nacional, as instituições de ensino superior e técnico estão recebendo em janeiro apenas 2,22% dos recursos anuais a que têm direito.
Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro.

Dólar fecha em alta com preocupações locais em foco


Preocupações sobre o ritmo de vacinação em meio ao avanço da segunda onda da covid-19 no Brasil e também um possível ressurgimento do auxílio emergencial ajudaram a pressionar o mercado de câmbio local. De olho nesses fatores domésticos, o dólar encerrou em alta de 0,78%, a R$ 5,3456.
A alta do dólar contra o real foi uma das maiores do dia entre as moedas mais negociadas, atrás apenas da vista contra o shekel israelense.
Lá fora, as moedas emergentes tiveram um dia misto, de olho nos comentários da indicada pelo presidente Joe Biden para comandar o Tesouro dos Estados Unidos, Janet Yellen.
A ex-presidente do Fed reiterou que o próximo governo buscará ampliar a ajuda aos prejudicados pela pandemia e também reiterou que o preço do dólar será comandado por forças de mercado. Por outro lado, teceu críticas ao governo da China, dizendo que ele é “culpado por abusos horrendos aos direitos humanos.”

Tomohiro Ohsumi/Bloomberg

Governo Trump termina com mais de 400 mil mortos na pandemia


Os dados são compilados pela Universidade Johns Hopkins e representam em torno de um quinto do total de mortes em todo o mundo, de 2 milhões No último dia de mandato do presidente Donald Trump, o total de mortes por covid-19 nos Estados Unidos superou a marca de 400 mil nesta terça-feira (19).
Os dados são compilados pela Universidade Johns Hopkins e representam em torno de um quinto do total de mortes em todo o mundo, de 2 milhões.

Os EUA lideram as estatísticas de covid-19 no mundo, com mais de 24,1 milhões de casos confirmados e 400.022 mortes.

Lynne Sladky/AP

STJ pede informações sobre falta de oxigênio a gestores do AM


Tribunal também quer detalhes sobre o recebimento de verbas para combater a pandemia O vice-presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Jorge Mussi, determinou que o governo do Amazonas e a Prefeitura de Manaus prestem informações sobre o recebimento de verbas públicas para combater a pandemia e as circunstâncias que levaram à falta de oxigênio nos hospitais.
A decisão, proferida nesta terça-feira, atende a pedido feito pelo Ministério Público Federal (MPF). O governador Wilson Lima (PSC) e o prefeito David Almeida (Avante) deverão informar, por exemplo, o momento em que tiveram conhecimento do risco de desabastecimento de oxigênio nas unidades de saúde. O prazo para a resposta é de 48 horas.
Profissional de saúde limpa a área onde tanques de oxigênio vazios estão ociosos no Hospital Joventina Dias em Manaus, Amazonas
Edmar Barros/AP Photo
Eles também precisarão comunicar ao STJ o valor total de recursos federais recebidos, as ações adotadas para enfrentar a covid-19, o número de leitos clínicos e de terapia intensiva (UTI) disponíveis e quantos profissionais estão envolvidos no combate à pandemia, dentre outras informações técnicas.
Especificamente em relação à falta de oxigênio, no relatório, devem constar os dados sobre o recebimento de cilindros pelo Estado, os critérios utilizados para verificar a necessidade do insumo e a periodicidade das entregas, além de informações sobre os fornecedores e cópias dos procedimentos de contratação.
O inquérito foi aberto, em princípio, para apurar supostas irregularidades na instalação de um hospital de campanha em Manaus, mas os elementos trazidos pelo MPF apontam para possíveis “ilegalidades diversas no emprego de recursos federais destinados ao enfrentamento da pandemia no Amazonas.”
No pedido, os procuradores afirmam que a situação no Estado é “caótica”. O inquérito tramita em segredo de Justiça no STJ – por isso, não foram divulgados o número do processo ou os nomes dos gestores envolvidos nas supostas irregularidades.

Avanço da covid e falta de oxigênio colocam municípios do Pará em alerta


Governo do Estado iniciou ontem uma operação de abastecimento de oxigênio nos hospitais de quatro municípios. A aceleração da pandemia na região oeste do Pará, mais conhecida como Baixo Amazonas, disparou alerta máximo do governo do Estado, que iniciou ontem uma operação de abastecimento de oxigênio nos hospitais de quatro municípios. Em Faro (PA), cidade com 7,2 mil habitantes, a rede de saúde colapsou pela falta do insumo e leitos e, nas últimas 48 horas, foram confirmadas sete mortes por covid-19 – a mais recente foi declarada esta tarde.

Oriximiná, Terra Santa e Juriti, cidades nas proximidades Faro, também estão em alerta máximo desde o dia 14, quando eclodiu a crise de abastecimento de oxigênio dos hospitais em Manaus. Juntos, esses municípios receberam hoje 159 cilindros de oxigênio encaminhados pelo governo do Estado, que diz estar atuando de forma “preventiva”.

A Secretaria de Saúde informou que emitiu alerta aos municípios, em especial ao da região do Baixo Amazonas, para que fiquem atentos ao monitoramento do oxigênio nos hospitais. “Por conta da municipalização da saúde, cada prefeitura é responsável pela manutenção dos contratos e aquisição do oxigênio para abastecimento local, cabendo ao Estado o suprimento dos hospitais estaduais”, afirmou o governo do Pará, em nota.

Na semana passada, o governo do Pará incluiu o Baixo Amazonas na bandeira vermelha no sistema de monitoramento da pandemia, o que indica alta risco de contágio. Imediatamente, a prefeitura de Faro decretou toque de recolher das 21h às 5h como medida urgente para conter o avanço da doença.

O governo do Estado também já anunciou o planejamento para abertura de novos leitos na região. O Estado informa que atualmente conta com uma capacidade de produção de oxigênio de 58 mil metros cúbicos diários, volume que é suficiente para atender os seus municípios e prestar apoio ao Amapá e Maranhão. O insumo é fornecido ao Estado pelas empresas White Martins e Air Liquid.

Teste para covid-19
Rovena Rosa/Agência Brasil

Anvisa aprova documentos de segundo pedido de uso emergencial da Coronavac


A segunda solicitação, de 4,8 milhões de doses, refere-se à vacina que foi envasada no Butantan. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) considerou satisfatórios os documentos encaminhados pelo Instituto Butantan referentes ao segundo pedido de uso emergencial da Coronavac, vacina desenvolvida em parceria com o laboratório Sinovac.

No primeiro pedido, a Anvisa aprovou no domingo o uso emergencial de 6 milhões de doses que foram importadas da China. A segunda solicitação, de 4,8 milhões de doses, refere-se à vacina que foi envasada no Butantan. A aprovação de hoje significa que os documentos estão de acordo com o exigido pela agência e, agora, os papéis serão analisados e eventuais esclarecimentos, solicitados.

“A análise da Anvisa vai se concentrar nas diferenças entre os dois procedimentos e que podem ter impacto na qualidade do produto final. Para produtos sensíveis como vacinas mesmo pequenas mudanças de equipamento, método e forma de envase pode ter impacto e por isso devem ser olhadas com atenção”, explicou a agência.

Apenas após a análise é que a Anvisa vai ou não liberar as 4,8 milhões de doses para aplicação. O procedimento será repetido lote a lote enquanto a Coronavac estiver sujeita apenas para uso emergencial. Quando houver o registro definitivo do imunizante, o processo não será mais necessário.
A enfermeira Monica Calazans, primeira brasileira a receber a Coronavac
André Guilherme Vieira/Valor

Receita agrícola deverá aumentar para R$ 640 bi em 2021 no país, estima consultoria

Segundo a MacroSector, valor, recorde, será 20% maior que o de 2020 A receita agrícola das principais lavouras temporárias e permanentes do país deverá somar R$ 640 bilhões em 2021, segundo nova estimativa divulgada hoje pela MacroSector. Se confirmado, o montante, recorde, será 20,1% maior que o total calculado pela consultoria para 2020 (R$ 533 bilhões), até agora o maior da história.
Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro.

China reduz queda de sua produção de carne suína e puxa exportação recorde da UE

Abates caíram 3,2% no país, destino de dois terços dos embarques totais do bloco em 2020 As compras feitas pela China foram decisivas para as exportações da União Europeia atingirem volume recorde no ano passado. De janeiro a outubro, a UE embarcou, ao todo, 3,55 milhões de toneladas equivalentes de carcaça, informou hoje o adido do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) na região. Desse volume, 2,37 milhões de toneladas, ou dois terços do total, foram para o mercado chinês. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro.